Breaking News

Error rendering macro 'rss' : java.io.IOException: Failed to recover from an exception: http://environmentalhealthnews.org/archives_rss.jsp?sm=&tn=1title%2Clede%2Cdescription%2Ctext%2Csubject%2Cpublishername%2Ccoverage%2Creporter&tv=toxicology&ss=1

Aldicarbe

Visão Geral


O aldicarbe é um pesticida de uso diverso que controla populações de insetos e nematóides prejudiciais à agricultura. Pertencente à família do carbamato, o aldicarbe inibe a produção de colinesterase nestes organismos. Fabricado como um inseticida, ele foi sintetizado pela primeira vez pela Union Carbide sob o nome comercial de Temik. Desde então, devido sua alta toxicidade, o pesticida se tornou altamente regulamentado, sendo classificado como “pesticida de uso restrito” nos Estados Unidos. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental Norte-Americana (EPA), o aldicarbe é um dos pesticidas mais tóxicos registrados. Apenas aplicadores certificados têm permissão para usar a substância, e, mesmo assim, todos os produtos contendo aldicarbe devem ser rotulados como "tóxico".

Descrição Química


O Aldicarbe pertence à classe dos químicos chamados carbamatos. Em sua forma pura, ele assume o aspecto de um sólido cristalino branco, que é conhecido cientificamente como 2-metil-2(metiltio)-propionaldeído O-(metilcarbamoil)oxima (link em ingês). No entanto, devido à toxicidade aguda do praguicida, que será  discutida abaixo, ele deve sempre ser formulado como uma mistura granular que contenha apenas 10-15% deste ingrediente químico ativo.

 

Estrutura química do Aldicarbe (imagem retirada da Wikipédia Commons)

Uso


O Aldicarbe é usado principalmente como inseticida contra uma variedade de insetos em ambientes agrícolas. Além disso, funciona também como um acaricida e nematicida, usado na eliminação de nematóides parasitas tais como o nematóide de galha. O derivado mais comum de aldicarbe na agricultura é o Temik, embora outros nomes comerciais da substância incluam ENT 27093, OMS 771 e UC 21149. Em todos os casos, o aldicarbe é aplicado na forma de grânulos abaixo da superfície do solo. Plantas e mudas absorvem esses materiais solúveis junto com a água, e o pesticida se espalha por todo o organismo, matando os insetos que consomem essa flora (#Cox, 1992).

Este método é comumente usado para controlar populações de pulgões, moscas brancas, ácaros-aranha, mineiros de folha e os nematóides acima mencionados em uma variedade de plantas como feijões secos, nozes pecans, beterrabas, batatas, cebolas, lúpulo, café, bananas, frutas cítricas e soja. Por si só, o algodão é responsável por 83% da utilização de aldicarbe nos Estados Unidos (EPA; #Tomlin, 1997 - link em inglês). O produto também pode ser aplicado em jardins domésticos e ornamentais (PAN).

No Brasil, o químico também é encontrado em 50% de raticidas irregulares conhecidos como Chumbinho. Embora não possua registro na ANVISA ou qualquer outro órgão governamental, o agrotóxico é muito utilizado por contraventores como veneno para rato, mesmo sendo contra-indicado pelo seu grande risco de contaminação e toxicidade aguda.

Farmacologia e Metabolismo


Conforme observado acima, os insetos são expostos a esse pesticida por via dérmica e oral. Assim como outros carbamatos, o aldicarbe é um inibidor da colinesterase, ou seja, impede a produção da enzima colinesterase em células do corpo inteiro e, consequentemente, a degradação da  acetilcolina . Isto resulta num excesso de acetilcolina e produz os sintomas de neurotoxicidade que são expostos na seção abaixo (#Risher, et al., 1987 - artigo em inglês).

A potência e a gravidade da intoxicação vão depender do tipo de derivado que é ingerido. Na maioria dos casos, no entanto, Aldicarbe é rapidamente absorvido pelo corpo de modelos animais. Estudos laboratoriais demonstram que, em ratos, os sintomas de intoxicação ocorrem apenas cinco minutos após a administração de uma dose do pesticida. Nesses mesmos modelos de ratos, 80-90% dos isótopos químicos foram excretados após 24h, enquanto 2-5% foi eliminado nas fezes (#Risher, et al, 1987). Resultados semelhantes foram observados em vacas (#ExtoxnetPip). Embora essa substância pareça ser facilmente eliminada pelo intestino nesses experimentos, sua toxicidade via contato com a pele é aproximadamente 1000 vezes maior do que a de outros carbamatos.

O Aldicarbe pode afetar seres humanos via exposição dérmica, oral e inalatória. Em testes humanos, os sinais e sintomas de envenenamento duram pouco e, a menos que a exposição tenha sido severa o suficiente para incapacitá-la, a vítima volta ao normal após aproximadamente 6 horas. Em um caso registrado de exposição ocupacional por manipulação de Aldicarbe, um trabalhador veio a óbito em menos de duas horas após sofrer queimaduras causadas pela substância, e a excreção dos isótopos já era detectável no momento de sua morte (#Risher, et al, 1987).

Efeitos na Saúde


O Aldicarbe é um dos pesticidas mais tóxicos registrados nos Estados Unidos (#Cox,1992). Os sintomas de envenenamento por inseticidas da classe dos carbamatos se assemelham muito ao envenenamento por organofosforados, embora não durem tanto já que, se a vítima não tiver sido exposta a uma quantidade extrema do produto, esses efeitos normalmente desaparecem dentro de 6 horas, aproximadamente.

Em humanos, a principal via de exposição ao pesticida é através da ingestão de alimentos contaminados, quando mal manipulados, e água, devido a poços contaminados (#ExtoxnetPip). Quando o Aldicarbe era um pesticida comumente disponível, os casos de intoxicação eram, em sua maioria, por alimentos cultivados. Em julho de 1985, em Oregon e Califórnia, aproximadamente duas mil pessoas adoeceram após ingerirem melancias contaminadas, enquanto casos similares foram observados em anos posteriores em Nebraska, Columbia Britânica e Califórnia (#Cox, 1992).

A inibição da enzima colinesterase é a principal causa dos sintomas de envenenamento por essa substância. A partir da redução de 30% da produção da enzima os sintomas começam a aparecer, podendo estes serem divididos em dois grupos: 

Efeitos muscarínicos:

São os efeitos que resultam da estimulação dos receptores muscarínicos encontrados no músculo liso, especialmente em torno do coração e glândulas. Os sintomas incluem:

  • Sensação de aperto no peito e dificuldade respiratória devido a broncoconstrição;

  • Aumento de secreção nos brônquios, sudorese e salivação excessiva;

  • Náusea;

  • Vômito;

  • Diarréia;

  • Cólica;

  • Micção involuntária;

  • Miose (contração da pupila)

 Efeitos Nicotínicos:

Resultantes do acúmulo de acetilcolina nas terminações de nervos motores que se comunicam com os músculos esqueléticos e gânglios. Seus sintomas incluem:

  • No músculo: fadiga, fraqueza e dores;

  • Hipertensão arterial sistêmica e hiperglicemia;

Para uma análise mais detalhada dos efeitos e sintomas, ver #Risher et al, 1987 (link em inglês).

A EPA aponta que, embora esses sintomas sejam reais e cientificamente demonstrados (que justificou a classificação do Aldicarbe como um risco agudo para a saúde pela OMS), seus efeitos em seres humanos são reversíveis. Porém, em contraste, a substância tem capacidade de causar efeitos neurotóxicos, como já citado. Adicionalmente, alguns classificam a substância como um potencial disruptor endócrino (PAN) embora, assim como outros pesticidas, os efeitos específicos sobre a saúde são constantemente debatidos, sem se chegar em um consenso (#ExtoxnetPip). Um exemplo disso é a falta de dados concretos e adequados para se classificar o Aldicarbe como um agente carcinógeno (EPA). Felizmente, alguns de seus efeitos na saúde são unificadamente claros; de acordo com a EPA e EXTOXNET, não foram associados quaisquer efeitos teratogênicos, mutagênicos ou reprodutivos ao Aldicarbe, seja em humanos ou animais.

Meio Ambiente


O Aldicarbe tem efeitos negativos no solo, águas subterrâneas e em organismos próximos ao local de aplicação. Suas características físico-químicas favorecem a lixiviação (infiltração da substância química no solo) pela água, tendo em vista que esse produto é altamente hidrossolúvel e se difunde facilmente no solo. Ele também não se degrada quando em condições aeróbicas em águas subterrâneas, a não ser que em contato com um pH alto,  como 7,7 (#ExtoxnetPip). Por isso que, quando aplicado em plantações, esse carbamato pode ser facilmente transportado para corpos d’água pela chuva ou escoamentos, tornando fácil a contaminação de água potável. Concentrações muito acima do limite saudável de 10ppm (partes por milhão) foram encontrados em poços de mais de 12 estados norte-americanos(#ExtoxnetPip).

O produto também demonstra altos níveis de bioacumulação nos ecossistemas em que é aplicado. Embora o composto seja degradado por bactérias, luz solar e, eventualmente, água com ph alcalino, foi observado que ele rapidamente se acumula na flora. O pesticida, no entanto, não parece bioacumular em organismos aquáticos, embora isso não queira dizer que o mesmo não prejudique a vida aquática, já que foi observado que sua toxicidade aguda pode causar danos hepáticos, mudanças em células sanguíneas e aumento dos níveis de colesterol de diversos organismos, como camarões(#Cox, 1992).

Além disso, o Aldicarbe é extremamente tóxico para as aves: um grânulo de Temik, em um estudo, foi suficiente para matar mais de 80% dos pardais e 40% dos melros em populações de amostra (#Cox, 1992). Estes organismos são expostos principalmente através da absorção direta desse químico ou consumo  de minhocas contaminadas(ExtoxnetPip). Estudos também demonstraram que o químico tem a capacidade de alterar a estrutura biológica de certas espécies de bactérias (#Cox, 1992).

Por fim, no processo de eliminação de pragas agrícolas e hortícolas, o tóxico também mata insetos benéficos, como abelhas e minhocas, ambos necessários para o bem-estar de jardins e plantações. O Aldicarbe tem, ainda, outro custo agrícola a ser levado em conta. Como nematicida, seu alvo são nematóides, dos quais existem dois grupos principais em ambientes agrícolas: predatórios e pragas. Enquanto este  químico visa eliminar estes últimos, que prejudicam as culturas e podem atuar como vetores de vírus para as plantas, ele também limita a população dos predatórios, que servem como forma de biocontrole por predarem pragas de jardim como as larvas da espécie de mariposa Noctua pronuba.

Regulamentação


O Aldicarbe é classificado como um pesticida de uso restrito (RUP) nos Estados Unidos. Os RUPs só podem ser adquiridos e utilizados  por aplicadores certificados. Por ele ser classificado como altamente tóxico, os produtos que contêm Aldicarbe apresentam o aviso PERIGO-TÓXICO (DANGER-POISON) no rótulo (#ExtoxnetPip). Além disso, em janeiro de 2007, uma Comissão Européia decidiu que o aldicarbe não poderia mais ser usado como ingrediente ativo no Temik (#Farmers Weekly, 2007).

Eventos Recentes


Links Externos (links em inglês)


Referências


 

Tradução realizada por: Ariel Moura Maia

 

Link para a página em inglês: Aldicarb

  • No labels